Quando nos apercebemos de uma queda de cabelo mais acentuada é sempre motivo de preocupação. Isto acontece porque um cabelo bonito e saudável dá-nos confiança sendo até, por muitas vezes, símbolo da nossa personalidade e de bem-estar. Embora seja um tema já bastante falado, para algumas pessoas continua a ser causa de baixa autoestima ou até de algum estigma.

A queda de cabelo pode surgir por diversos fatores podendo ser uma situação temporária ou progressiva. Neste último caso, é importante estar atento aos sinais e manifestações do nosso cabelo de forma a adotar as medidas mais adequadas, não descurando consultar um dermatologista nos casos mais complexos.

Para ajudar a perceber como o nosso cabelo funciona e porque surge a queda de cabelo, iremos de seguida abordar os diferentes tipos, causas, sinais e sintomas.

Alopécia (perda de cabelos)

Cada cabelo passa por um ciclo de três fases:

  • anagénese: fase de crescimento que pode durar entre 2 a 6 anos,
  • catagénese: fase de transição que dura entre 3 a 4 semanas (fase de desaceleração do crescimento que prepara o pêlo para cair) e,
  • telogénese: fase de repouso curta (entre 3 a 6 meses) em que a haste capilar se começa a soltar do couro cabeludo e cai.

No final da fase de repouso o cabelo cai (fase exógena) e o ciclo capilar começa novamente: dá-se a queda do pêlo antigo e o crescimento de um novo cabelo no folículo piloso. Quando o cabelo está na fase exógena é normal perdermos entre 50 a 100 fios de cabelo por dia.

Considera-se que estamos perante uma situação de alopécia quando se verifica uma perda de mais de 100 fios de cabelo por dia (eflúvio telogénico) ou quando o cabelo cai e não volta a crescer (eflúvio anagénico).

A queda de cabelo/pêlo pode acontecer em qualquer parte do corpo e surgir de diversas formas dependendo da causa, podendo surgir de forma abrupta ou mais gradual.

Causas de Alopécia

A queda de cabelo pode estar relacionada com diversos fatores incluindo a toma de certos medicamentos (principalmente quimioterápicos), algumas doenças autoimunes, distúrbios alimentares e hormonais, infeções fúngicas, stress, perda de peso repentina, gravidez, hereditariedade e até certas escolhas de penteados. Esta problemática tem vindo a ser estudada por vários especialistas ao longo dos anos mas algumas causas ainda estão por determinar.

A causa mais comum de perda de cabelo é o padrão masculino e feminino de calvície: alopécia androgenética.

1. Alopécia Androgenética

Esta perda de cabelo hereditária ocorre quando a fase anagénica se torna cada vez mais curta. Os folículos pilosos geram cabelos cada vez mais finos do que o normal e, eventualmente, definham. Caracteriza-se por uma perda progressiva que pode começar durante a puberdade.

A alopécia androgenética afeta tanto homens como mulheres e está relacionado com o metabolismo hormonal e com uma predisposição genética. Nos homens, a perda de cabelo costuma começar nas têmporas e no vértex (alto da cabeça). Pode estabilizar e ficar localizada apenas nestas áreas, mas em muitos homens evolui atingindo todo o topo da cabeça. Por outro lado, no caso das mulheres a queda de cabelo começa na parte superior da cabeça. Há uma redução difusa da massa capilar na área do topo da cabeça. Normalmente o cabelo afina em vez de cair completamente mantendo a linha do cabelo intacta. Por isso, a alopécia androgénica não é tão evidente nas mulheres como nos homens.

2. Alopécia Areata

Esta talvez seja uma das formas mais comuns de queda de cabelo. Neste caso, há uma perda súbita de mechas de cabelo tipicamente redondas e irregulares que resulta de uma disfunção do sistema imunológico. As defesas do sistema imunitário atacam por engano os folículos pilosos (chamada de reação autoimune) e os cabelos caem subitamente. Por norma, afeta pequenas áreas do couro cabeludo mas também pode afetar outras parte do corpo como, por exemplo, barba, sobrancelhas ou pestanas.

3. Alopécia de Tração

Alopécia de tração é um tipo de queda de cabelo provocado por tranças, coques ou rabos de cavalo bem apertados que puxam o cabelo constantemente.

Esta queda de cabelo pode surgir de forma gradual, dificultando a sua reversão se os hábitos de penteado permanecerem inalterados.

4. Alopécia Cicatricial Centrífuga Central

A alopécia cicatricial é a causa mais comum de queda de cabelo permanente em mulheres negras e a sua causa não é propriamente clara. Esta, manifesta-se sob a forma de mancha na coroa do couro cabeludo e espalha-se de forma centrífuga. Existem várias teorias sobre a origem desta patologia entre os especialistas.

Parece existir uma grande associação entre alopécia cicatricial e os diferentes produtos capilares usados pelas mulheres de raça negra: químicos para alisamentos, pentes quentes ou extensões de cabelo. Contudo, a literatura sugere que estamos perante uma patologia que pode surgir de diversos fatores tais como, infeções, doenças autoimunes ou fatores genéticos sugerindo ser necessário mais estudos para esclarecer este conceito.

5. Tinha do couro cabeludo (tinea capitis)

Tinea capitis é uma infeção causada por um fungo no couro cabeludo sendo causa comum de perda de mechas de cabelo.

A infeção começa com uma placa seca de escamas que pode causar comichão, uma placa de perda de cabelo ou ambas as situações que vai aumentando com o tempo. Os cabelos acabam por se romper, normalmente alinhados com a superfície do couro cabeludo parecendo pontos negros. Por vezes, quebram acima da superfície do couro cabeludo parecendo pequenos tufos.

Se não for tratado, a perda de cabelo pode ser permanente. Por isso, a tinha do couro cabeludo deve ser diagnosticada e acompanhada por um médico.

6. Outras Causas

Existem ainda muitos outros fatores responsáveis pela queda de cabelo de uma forma mais ou menos acentuada. Poderemos falar de doenças autoimunes como, por exemplo, lúpus eritematoso cutâneo em que o cabelo tende a cair em mechas e pode até ocorrer formação de cicatriz ou perda permanente.

Outras causas comuns de queda de cabelo são:

  • desequilíbrios hormonais,
  • deficiências nutricionais (por exemplo, deficiência em ferro e zinco),
  • stress físico: doença grave, perda de peso ou gravidez são fatores que podem aumentar o número de fios de cabelo que entram na fase de repouso. O cabelo normalmente cai após alguns meses de stress. Esse tipo de perda capilar tende a ser transitória.
  • stress psicológico: pode causar o hábito de torcer, desfiar ou puxar os cabelos, chamado tricotilomania.

Sinais e Sintomas

Como visto anteriormente, existem diferentes tipos de queda de cabelo associados a diferentes causas. Contudo, há vários sinais e sintomas em comum que devemos estar atentos:

1 – Redução gradual da massa capilar no topo da cabeça. Este é o tipo mais comum de queda de cabelo que afeta as pessoas à medida que envelhecem. Nos homens, o cabelo geralmente começa a retroceder na linha das têmporas e na coroa do couro cabeludo enquanto nas mulheres, o cabelo começa a ficar mais fino em vez de cair completamente.

2 – Peladas de forma circular ou irregular no couro cabeludo.

3 – Peladas noutras áreas do corpo: barba, sobrancelhas ou pestanas.

4 – Comichão ou descamação.

5 – Perda repentina de cabelo. Punhados de cabelo começam a cair no momento de lavar ou de pentear.